Petrobras troca três diretores; veja o que isso representa

Petroleira anunciou novos diretores para área de Desenvolvimento da Produção, Refino e Gás Natural e Estratégia

A Petrobras anunciou nesta sexta-feira (04/01) mudanças em sua diretoria executiva. O presidente Roberto Castello Branco indicou Rudimar Lorenzatto para o lugar de Hugo Repsold na diretoria de Desenvolvimento da Produção & Tecnologia. Além disso, indicou Anelise Quintão Lara para a diretoria de Refino e Gás Natural, no lugar de Jorge Celestino, e Lauro Cotta para a de Estratégia, Organização e Sistema de Gestão, diretoria que era ocupada por Nelson Silva.

A diretora de E&P, Solange Guedes, o diretor de Assuntos Corporativos, Eberaldo de Almeida Neto, de Governança e Conformidade, Rafael Gomes, e o diretor Financeiro e de Relação com Investidores, Rafael Grisolia, permanecem no cargo. Dessa forma, Solange passa a ser a  diretora mais antiga do quadro diretor da companhia, tendo atravessado as gestões de Graça Foster, Aldemir Bendine, ambas petistas, e de Pedro Parente e Ivan Monteiro, já no governo de Michel Temer.

Os nomes ainda passarão por análises de conformidade e integridade e encaminhados para apreciação do Comitê de Indicação, Remuneração e Sucessão. A etapa seguinte é a apreciação pelo Conselho de Administração da companhia.

Anelise Quintão Lara ocupa atualmente a gerência executiva de Aquisições & Desinvestimentos da empresa. Já Rudimar Andreis Lorenzatto é o atual Gerente Executivo de Sistemas Submarinos.  Já Lauro Cotta foi diretor presidente da Minasgás Distribuidora de Gás Combustível, SHV Gás Brasil e Supergasbras Energia Ltda. entre 2000 e 2014. Foi ainda membro do Conselho da SHV Energy-Holanda de 2012 a 2014, do Conselho Consultivo da Supergasbras Energia de 2014 a 2017. Atualmente, é membro do Conselho de Administração do IBP.

Venda do refino

A escolha de Anelise Quintão para a área de Refino & Gás Natural tem ligação direta com a estratégia comercial da Petrobras de acelerar a venda de seus ativos no downstream. A ida da executiva, que gerenciava o programa de desinvestimento da companhia, reforça o foco que a gestão de Castello Branco pretende dar a essa questão.

O nome de Anelise já vinha sendo cotado para uma vaga na diretoria da Petrobras desde a saída de Pedro de Parente e a nomeação de Ivan Monteiro para o cargo de presidente. Na ocasião, o nome da executiva chegou a ser cotado para a vaga de diretor Financeiro, que acabou sendo preenchida por Rafael Grisolia.

Diante da premissa de mudanças com a chegada de Roberto Castello Branco, o nome de Anelise voltou a ganhar força, sendo que as apostas se voltavam para as Diretorias de E&P e de Desenvolvimento da Produção & Tecnologia. Funcionária de carreira da Petrobras, a executiva passou grande parte de seu tempo ocupando cargos de gerência na área de E&P, onde chegou a comandar a Gerência de Pré-Sal, antes de ser designada para comandar o programa de desinvestimento da companhia.

Novos diretores

Já a escolha de Rudimar Lorenzatto surpreendeu a indústria. Embora seja funcionário de carreira de área de E&P e tenha ocupado cargos de gerentes executivo nas últimas gestões, o nome do executivo não era visto como um dos favoritos. O executivo é visto como um grande defensor da Petrobras e tem maior proximidade com a indústria fornecedora.

Lauro Cotta, segundo apurado, ingressa como o homem de confiança de Roberto Castello Branco na diretoria, ocupando a pasta de Estratégia, Organização e Sistema de Gestão, uma das áreas mais importantes, depois é claro do segmento de E&P. Pessoas próximas revelam que o executivo é extremante articulado e inteligente.

Com a escolha de Cotta, a Petrobras passa a ter mais um diretor trazido da iniciativa privada. Ao todo, são três externos – Rafael Grisolia (Financeiro & de Relacionamento com Investidores) e Rafael Gomes (Governança & Conformidade) e quatro de carreira – Solange Guedes (E&P), Eberaldo de Almeida, Anelise Lara e .Rudmiar Lorenzatto.

Só o começo?

Embora nesse primeiro momento tenham sido confirmados os nomes dos outros quatro diretores, fontes ligadas ao alto escalão da Petrobras afirmam que o Roberto Castello Branco poderá fazer novas mudanças na diretoria em uma segunda etapa. A avaliação é de que o executivo vem optando por avaliar os primeiros movimentos.

Antes de tomar a decisão e escolher os primeiros diretores de sua gestão, Roberto Castello Branco conversou com diversos executivos do setor, ouvindo sugestões e impressões de pessoas da ativa, executivos aposentados e profissionais de outras empresas.

você pode gostar também